Os ‘coitadinhos’ dos ‘revoltados’ são umas bestas

Dizem que tudo começou porque uns malvados de uns polícias mataram um cidadão. Depois uns jovens revoltados contra o tal assassinato e, por certo, incomodados com o rumo que a sociedade leva vieram para a rua numa “manifestação pacífica”. Mas os polícias maus também foram a esse protesto civilizado e houve confrontos.

Os tais jovens, uns idealistas, pacifistas, mas revoltados por uma sociedade opressora desataram a arremessar pedras e explosivos contra os maus, queimaram estabelecimentos comerciais e casas onde moram pessoas, por certo agentes infiltrados de um qualquer poder instalado, apenas para se aquecerem, que as noites de Londres andam frias, e roubaram tudo o que puderem. Aliás, não roubaram, retiraram aquilo que legitimamente lhes pertence e lhes tinha sido retirado por outros elementos de uma ditadura espartana.

Dan Istitene/Getty Images

Depois há outras pessoas com interrogações. Será que esta alienação da juventude, pela sociedade em que vivemos e tal coisa, não poderia manifestar-se de forma mais, sei lá, civilizada? Os coitados dos deserdados, vítimas de uma política de direita sem preocupações sociais não poderão protestar sem destruir e roubar o que é dos outros?

Um polícia, mau, já se sabe, “assassinou” um cidadão e a resposta é incendiar, destruir, pilhar, roubar? É uma reacção às desigualdades, às injustiças? Digam isso a quem viu as casas e negócios queimados e a quem pode ter perdido o emprego graças à ‘revolta’ dos ‘desgraçados’.

Será que todas as loucuras que se cometem em nome de um combate às injustiças sociais têm desculpa? Ou será tudo isto ganha relevância num par de calças?

Peter Macdiarmid / Getty Images

Poderia ter sido um protesto mas num instante passou a vandalismo. E o vandalismo não tem ideologia.

(Mais imagens em In Focus)

Anúncios
Os ‘coitadinhos’ dos ‘revoltados’ são umas bestas