A Google ainda defende o “do no evil” ou mudou para “do money”?

cabo de rede_1108

Depois do “Do no evil!” estará a Google a entrar numa nova fase? Andará o dinheiro, a tentação do poder e do controlo a subir à cabeça dos senhores que fizeram o maior sucesso empresarial do mundo dos últimos dez anos? Esqueceu a Google o poderoso contribuiu – suportado na neutralidade da internet – que os utilizadores dos seus serviços tiveram para ser o colosso que é hoje?

Pensará que o pedestal onde foi colocada não lhe pode ser retirado um dia, quando o “do no evil” estiver morto e enterrado?

Pensará que apenas por ser uma proposta Google, o mundo vai levantar-se num clamor e aplaudir? Acharão mesmo que o futuro da internet ou de uma qualquer rede mais ou menos parecida passa pela criação de divisões entre os ricos e os pobres? Acreditam realmente que uma melhor internet e uma melhor distribuição de dados passa por criar uma divisão entre quem paga e não paga?

Admito que já há algum tempo esperava algo deste género. O poder e a capacidade de influência proporcionada pela Internet, o mais democrático de todos os meios de comunicação, representa uma forte ameaça para quem deseja controlar os fluxos informativos. Controlando a velocidade e a disponibilização desses fluxos, à custa da força do dinheiro, pode-se tentar anular, eliminar ou fazer passar sem significado aquilo que interessa esconder.

Em causa está ainda a lealdade para com os consumidores pagantes. O acesso à internet é pago. Logo, porque é que haveremos de pagar para aceder a conteúdos que nos são entregues de forma condicionada e não totalmente livres?

O fim da neutralidade da internet, seja qual for o meio, terrestre ou sem fios, será um perigoso rombo na qualidade da democracia e do acesso à informação. Mais do que dividir o mundo da internet através da velocidade a que são difundidos os conteúdos de quem pode ou não pagar, está em causa a própria qualidade da distribuição e, em último caso, a sua própria produção.

Anúncios
A Google ainda defende o “do no evil” ou mudou para “do money”?