Não foi o primeiro, não será o último, é apenas mais um imbecil

Roy Ashburn defende-se com o argumento que a maior parte dos políticos medíocres utiliza: as posições que defendeu não reflectiam o que pensava ou queria mas o queriam os seus eleitores. Defendia-as sem um espírito crítico, sem remoques de consciência, sem vergonha. Convicções? Nada. Enfim, mais um parasita da política. Ou um mentiroso.

Ashburn, 55 anos, pai de quatro filhos, era um assumido anti-direitos dos homossexuais. Daqueles radicais. Ao longo de 14 anos tudo fez para contrariar os direitos dos gays. Este ano, por exemplo, vetou um dia para homenagear o activista pelos direitos gay, Harvey Milk e leis contra a discriminação e o reconhecimento do casamento homossexual que fosse celebrado fora do Estado da Califórnia.

Na realidade, era como se um político negro vetasse o dia de homenagem a Martin Luther King. É que esta semana Ashburn foi apanhado a conduzir sob efeitos do álcool, à saída de um bar gay. Admitiu ser homossexual. Entretanto, já afirmou que não volta a candidatar-se a nenhum cargo político. Mas, claro, apenas porque foi apanhado.

O problema de uma grande parte da classe política é que faz sublimar os maiores defeitos de uma parte da sociedade: incoerência, hipocrisia, mentira e uma enorme falta de bom-senso.

Anúncios
Não foi o primeiro, não será o último, é apenas mais um imbecil