Há alguma coisa que Bruxelas não queira regular?

Tanta coisa em redor da asfixia democrática e ninguém se incomoda com outras asfixias. Da ameaça chegamos à concretização, a Comissão Europeia quer “limitar o volume nos leitores de música portáteis, medida que tem como objectivo proteger da surdez parcial um universo estimado em dez milhões de pessoas, mas o processo pode demorar dois anos até entrar em vigor”.

Que pretendam alertar para os riscos, vá que não vá, que recomendem cautela, ainda aceito, agora “limitar o volume” por decreto?

Anúncios
Há alguma coisa que Bruxelas não queira regular?