A arte de Bansky

Banksy-icecream-van

“Quando era criança costumava rezar todas as noites por uma bicicleta nova. Depois percebi que Deus não trabalha dessa forma, por isso roubei uma bicicleta e rezei, pedindo perdão”.

A frase é de Emo Philips, um comediante norte-americano, e é o actual “manifesto” de Bansky, um dos mais famosos graffiters do mundo. Graffiters não, artista. Bansky não é um marginal. É um artista, puro e duro, que faz arte e intervenção social através dela. E sem fazer discursos.

Bansky é tímido. Não gosta muito de se mostrar. Quando aparece, é com a indumentária normal de um graffiter que não se quer dar a conhecer, afinal pintar nas paredes ainda não é legal, utilizando um capuz e óculos escuros.

Noutras ocasiões, quando se exigia outra vestimenta, prefere uma gabardina, óculos, cabelo e bigode ou barba postiça. Uma dessas ocasiões aconteceu em Março de 2005, quando colocou, à socapa, obras suas em quatro museus de Nova Iorque. Entrou como visitante, um simples pensionista britânico, e instalou os seus quadros no Brooklyn Museum, no New York’s Metropolitan Museum of Art, no New York’s Museum of Natural History e no New York’s Museum of Modern Art. Em todos eles, ao lado do seu quadro, colocou uma placa identificativa e explicativa da obra. Nalguns casos, só dias depois deste “acrescento” à colecção, é que os museus retiraram as peças de exposição.

Com trabalho que circula entre a provocação, a intervenção social e política e manifestações anti-belicista. Tudo repleto de muita imaginação. Com arte por todo o lado e onde lhe apetece.

Nasceu em 1974, em Bristol, cidade cujo museu municipal lhe organiza a sua maior exposição de sempre no Reino Unido. Não deixa de ser curioso que a mesma autarquia que o perseguiu durante muitos anos pague agora para expor as suas obras. “Esta é a primeira exposição que alguma vez fiz em que o dinheiro dos contribuintes está a ser usado para pendurar as minhas imagens em vez de ser para as limpar”, comentou Banksy em declarações à BBC, citada pelo Público.

Imagens de alguns dos trabalhos expostos (via Telegraph)

O trailer da exposição:

Anúncios
A arte de Bansky