Uma escola na depravação

A alta inquisidora, perdão, presidente do Conselho Executivo da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos José Maria dos Santos, no Pinhal Novo, em Palmela, determinou que alunos, professores e funcionários deste estabelecimento público estão proibidos de “vestir tops com decotes pronunciados, minissaias muito curtas e calças descaídas”, revela-nos hoje o Correio da Manhã.

A alta inquisidora, perdão, presidente do Conselho Executivo, Natividade de Azeredo de sua graça, confirmou a aplicação das regras, aplicadas numa emenda ao regulamento interno da escola, como resultado de situações verificadas na sala de aula. Nem me seguro de imaginar o deboche que seriam as aulas daquela escola e o regabofe entre alunos, professores e demais funcionários.

Valha-nos a existência de tão casta senhora para impor o decoro, a moral e os bons costumes naquela nobre escola e naquele meio social. Fico até atormentado só de imaginar o estado de degradação moral daquelas bandas, quais Sodoma dos nossos dias.

Apesar destes sinais positivos, preocupo-me agora com o resto da comunidade não escolar. Os pais, familiares, amigos dos pais e amigos dos familiares daqueles jovens, para não falarmos dos amigos e familiares dos professores e funcionários e respectivas relações sociais terão foram de se salvar? Atendendo ao estado de decrepitude a que os frequentadores da escola chegaram, suponho que a comunidade envolvente deve estar contaminada do mesmo fervor libertino, senão como aceitar ou imaginar que tal seria possível dentro da insigne estabelecimento de ensino.

Que a alta inquisidora, perdão, presidente do Conselho Executivo, nos salve.

Também em Aventar.

Anúncios
Uma escola na depravação